Acordo entre sindicado e empresa, permite uso de ponto alternativo

Muito mais barato que um relógio, com mais recursos e possibilidades, muito além de só um registro de ponto, assim é um software alternativo de ponto eletrônico.

Com um software é possível automatizar toda a gestão do ponto, registros, tratamento das horas, qualquer que a empresa faça, e a integração com a folha. Os trabalhadores externos também podem registrar o ponto através de APP, unificando as informações em um só lugar de forma automática.

Toda essa tecnologia está à disposição das empresas, facilitando muito a realização destas tarefas, pois elimina os controles manuais ou em planilhas de excel. E a Portaria 373, do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), que dispõe sobre o uso de sistemas alternativos de ponto eletrônico, autoriza o emprego de todas essas facilidades nas empresas.

O que diz a Portaria 373?

Publicada em 2011, a Portaria 373, passou a autorizar o uso de softwares alternativos de ponto, no entanto, é necessário atenção ao artigo 1º: “Os empregadores poderão adotar sistemas alternativos de controle da jornada de trabalho, desde que autorizados por Convenção ou Acordo Coletivo de Trabalho”.

Desta forma, toda empresa que deseja usar um software alternativo de ponto eletrônico, deve procurar o seu sindicato e chegar a um acordo para a implantação do software.

Também é necessário atenção a algumas regras que os programas alternativos devem seguir, como:

I – Não restringir a marcação do ponto;

II – Não permitir marcação automática do ponto;

III – Não exigir autorização prévia para marcação de sobre jornada;

IV – Não alterar ou eliminar dados registrados pelo colaborador.

Para fins de fiscalização, os sistemas alternativos eletrônicos deverão:

I – Estar disponíveis no local de trabalho;

II – Permitir a identificação de empregador e empregado; e

III – Possibilitar, através da central de dados, a extração eletrônica e impressa do registro fiel das marcações realizadas pelo empregado.

Então a portaria 373, tem a função de flexibilizar o registro do ponto, porém, sem perder o controle sobre informações essências para a segurança dos registros.

Ao realizar convenção ou acordo coletivo, a empresa passa a estar liberada para utilizar novas alternativas para o registro do ponto, não sendo mais necessário o registro de forma manual ou através de Relógio Digital os famosos REP.

Vale reforçar que esse tipo de software não precisa ser homologado pelo MTE ou por órgãos credenciados por ele.

Quais são as vantagens de um software alternativos de ponto eletrônico e que você precisa conhecer:

Não é só o registro do ponto, um software alternativo possibilita muito mais gerenciamento sobre as informações.

Automação completa de todo o processo de tratamento das informações do ponto, registro, tratamento das informações e integração com a folha de pagamento.

Escritórios de contabilidade podem receber automaticamente todas as informações, desde os registros das horas, quanto o arquivo para ser importado para a folha de pagamento.

Os colaboradores externos também podem registrar o seu ponto através de um APP, e todas as informações vão direto para o software de tratamento.

As informações estão disponíveis em tempo real, os profissionais têm acesso ao seu espelho de ponto antes mesmo do fim do mês.

Agora é hora de saber onde encontrar um software alternativo de ponto eletrônico, e isso a PROSIS mesmo desenvolve. Acesse nosso site, conhece mais do Gestor-P, entre em contato e solicite uma apresentação: http://www.prosisinformatica.com.br/gestorp/

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *